Entre em contato

Especiais

Após final trágico na novela, Duio Botta revela sufoco nos bastidores da cena

Publicado

em

Após a surra na segunda-feira (5), a morte de Jardel (Duio Botta) foi o que movimentou “A Dona do Pedaço” nesta terça (6). Na sequência, exibida no final do capítulo, o mordomo chantagista foi assassinado por Josiane (Agatha Moreira), sendo empurrado na rua para ser atropelado por um caminhão.

Publicidade

O final trágico do personagem mexeu com o Duio, que revelou detalhes dos bastidores ao site Notícias da TV. O intérprete do funcionário de Maria da Paz (Juliana Paes) contou que sentiu um medo real na gravação:

“Achei que ia morrer de verdade. Ela [Agatha] incorporou mesmo a personagem e parecia que iria me matar.”

Para rodar a cena, a equipe da diretora Amora Mautner usou como cenário uma rua deserta. No roteiro, entretanto, o autor Walcyr Carrasco havia indicado que a sequência seria em uma estação de metrô, onde o personagem de Duio morreria atropelado por um trem.

“Foi tudo gravado em uma rua na Barra da Tijuca [bairro nobre do Rio de Janeiro]. A direção da novela me passou que a troca aconteceu a fim de não incentivar as pessoas a pularem ou então a jogarem as outras na linha do trem”, revelou o ator ao site.

A mudança de cenário, além da explicação oficial, teria também uma razão logística: levar os atores do Rio de Janeiro para São Paulo (onde a história se passa), fechar o metrô e desligar a eletricidade da linha demandaria uma complexidade gigante. Por conta disso, e também para baratear os custos, diga-se de passagem, trocaram o trem por um caminhão.

Publicidade

Botta não conseguiu segurar as lágrimas na última gravação. Porém, mesmo triste com a saída da novela, ele está comemorando o desfecho marcante dado por Carrasco ao personagem.

“Sabia que Jardel sairia da trama, mas não imaginava esse peso maior, essa movimentação na trama principal. Nada mal, para quem abria e fechava a porta, ter uma função na história, não é mesmo?”

Dublagem, música e obesidade

Duio Botta, que na verdade se chama João Heriberto e tem 32 anos, também trabalha como dublador, sendo a voz por trás de vários personagens de novelas mexicanas exibidas no SBT, como o Elias de “A que Não Podia Amar“; o Carlos de “Um Caminho Para o Destino“; e o Diego Armando de “Que Pobres Tão Ricos“. Como cantor, ele chegou a participar do programa “Ídolos“, em 2006, também no canal de Silvio Santos.

“A Dona do Pedaço é minha segunda novela na Globo, participei de Eta Mundo Bom! [2016]. Mas antes de ser ator, eu já era cantor. A música me trouxe para a atuação. Quero fazer outras novelas, claro, mas tenho muita vontade de gravar um EP, lançar as minhas músicas e dar sequência à minha carreira de cantor”, confessou.

Em 2010, buscando emplacar na área musical, Duio participou do quadro “Jovens Talentos”, do “Programa Raul Gil“. Ficou durante um ano na atração. Na época, ele, que hoje é magrinho, sofria com a obesidade.

“Cheguei a pesar 160 quilos e tive vários problemas de saúde. Sofri muito preconceito. Em 2013, tive a oportunidade de participar de uma novela e perdi o trabalho porque a calça não entrou. Uma figurinista falou bem alto que deveriam ter chamado um ator mais magro. Aquilo me arrasou e me marcou. Logo depois comecei a emagrecer”, lembrou.

O ator chegou a desenvolver bulimia nesse processo e perdeu a metade do peso por causa do distúrbio. “Eu queria emagrecer, mas não queria parar de comer. Então comia e ia ao banheiro para vomitar. Fiquei muito fraco e, se não fossem minha família e meus amigos, não sei se hoje eu estaria vivo”, afirmou.

“O que eu sempre oriento é que cada pessoa faça uma avaliação do próprio corpo, não só pela estética, mas pela saúde.”

Veja o Resumo dos Capítulos

Publicidade
Clique para Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Especiais

Túnel do Tempo: “A Viagem” estreou há 25 anos

Publicado

em

Por

Uma das novelas mais queridas pelo público está aniversariando nesta quinta-feira, 11 de abril. Há 25 anos, estreou “A Viagem”, exibida na faixa das 19h da Globo, em 1994, com grande sucesso de audiência. A história, um remake da trama homônima da Tupi e também escrita por Ivani Ribeiro, abordava temas como mediunidade e reencarnação, inspirada na filosofia de Alan Kardec.

Os atores Christiane Torloni e Antonio Fagundes interpretaram o casal Diná e Otávio, que viviam um romance transcendental. Já Guilherme Fontes causou calafrios no espectador como o vilão Alexandre, um bad boy desajustado na vida, que acaba preso e se suicida na prisão. Depois, sedento por vingança, seu espírito passa a atormentar todos que o levaram à morte. As cenas do personagem vagando pelo Vale dos Suicidas eram de gelar a espinha.

Publicidade

“A Viagem” foi o último trabalho da autora Ivani Ribeiro, que veio a falecer no ano seguinte. Além dos já citados, a novela trazia no elenco bons nomes como Maurício Mattar, Lucinha Lins, Andrea Beltrão, Miguel Falabella, Laura Cardoso e os saudosos Cláudio Cavalcanti, Yara Cortes, John Hebert e Nair Bello.

Continuar Lendo
Publicidade

Trending