Últimas notícias

Globoplay anuncia novelas que entram no catálogo em 2021

O projeto de relançamento de novelas a cada duas semanas no Globoplay continuará em 2021. Na noite desta sexta (4), durante a...

Resumo da semana de ‘Laços de Família’: 7 a 11 de dezembro

Edu e Camila se amam. Camila se irrita ao perceber que está sendo observada por Íris. Ela provoca e fala de Helena,...

‘Malhação: Sonhos’ será a substituta de ‘Viva a Diferença’; saiba quando

Como já era previsto, "Malhação" seguirá em regime de reprises em 2021. Assim que "Viva a Diferença" chegar ao fim, a Globo...

Resumo desta sexta-feira (4) de ‘Laços de Família’

Ao saber que Camila vai para Angra, Íris decide aceitar o convite de Cíntia. Capitu recebe flores de Orlando e joga-as na...

Audiência baixa, brigas nos bastidores: relembre novelas que mudaram suas histórias

Nem sempre os autores conseguem seguir o que haviam inicialmente planejado para suas novelas. Por problemas de bastidores ou audiência, algumas tramas precisam modificar seus enredos e algumas trajetórias de personagens.

Caminho das Índias

Casal principal Maya e Bahuan não vingou em ‘Caminho das Índias’. Foto: Divulgação.

A novela de Glória Perez tinha no centro da narrativa o amor proibido entre os indianos Maya (Juliana Paes) e Bahuan (Márcio Garcia) – ele era considerado intocável pelo sistema de castas da Índia. No entanto, a química entre o casal principal era zero. Para que a audiência reagisse, a autora teve que interferir na história.

Na trama original, Maya se casaria com Raj (Rodrigo Lombardi) obrigada pela família e logo veria o marido morrer. A mocinha também viveria no Brasil e estaria diretamente relacionada à trama da família Cadore, que é vítima de um golpe da ardilosa Yvone (Letícia Sabatella). No primeiro capítulo, Maya, como atendente de call-center, é quem faz a transação em que Raul (Alexandre Borges) desvia milhões da empresa familiar para um paraíso fiscal.

Tal ponta ficou solta na novela que foi ao ar, porque o público passou a torcer para que Maya e Raj se entendessem. O casal esbanjava química. Na reta final da trama, o novo mocinho da história de fato “morreu” em um acidente de trem, para total sofrimento de sua mulher. Mas no último capítulo, Raj se levantou do mundo dos mortos e levou Maya de volta para casa, em um final feliz inesquecível.

Morde & Assopra

Dulce ganhou status de protagonista em ‘Morde & Assopra’. Foto: Divulgação.

A trama de Walcyr Carrasco trouxe a mescla do passado e do futuro através de uma personagem paleontóloga, que estudava ossadas de dinossauro, e um cientista que criava robôs. Júlia (Adriana Esteves) e Ícaro (Mateus Solano) viram suas tramas serem modificadas e as temáticas científicas praticamente morreram.

A novela passou a girar em torno do melodrama de uma personagem coadjuvante, a faxineira Dulce (Cássia Kiss Magro), rejeitada pelo filho Guilherme (Klebber Toledo). Para não desaparecer, a protagonista Júlia foi inserida como amiga e conselheira de Dulce. A robô Naomi (Flávia Alessandra) desapareceu e a Naomi original, de carne e osso, surgiu para enredar uma trama de mistérios e intrigas.

Somente no final é que Júlia chegou ao vale pré-histórico onde ainda existiam dinossauros vivos, conhecido como o centro da terra – pesquisa que a mocinha conduzia no começo da novela. As mudanças surtiram efeito significativo na audiência.

Torre de Babel

Explosão em shopping eliminou personagens rejeitados de ‘Torre de Babel’. Foto: Divulgação.

A história de Sílvio de Abreu não modificou exatamente sua história, mas adiantou muita coisa. O grande conflito da trama era a explosão do shopping Tropical Tower, mas o autor teve que antecipar o crime misterioso em muitos capítulos e aproveitou a tragédia para eliminar personagens problemáticos, que afugentavam o espectador mais conservador.

As lésbicas Leila (Silvia Pfeifer) e Rafaela (Christiane Torloni) e o dependente químico Guilherme (Marcello Antony) morreram na explosão. Na sinopse original, apenas Rafaela morreria, e a viúva Leila desenvolveria uma bonita amizade com Marta (Glória Menezes), o que discutiria o preconceito acerca de amizades entre gays e heterossexuais.

O medo de uma má interpretação sobre a relação das duas personagens levou Abreu a matar também Leila. O anti-herói Clementino (Tony Ramos) foi suavizado e ganhou um par romântico tradicional com Clara (Maitê Proença), o humor foi acentuado e a trama policial ganhou ritmo e fôlego a partir daí.

Babilônia

Casal lésbico de idosas afastou espectadores de ‘Babilônia’. Foto: Divulgação.

A mais rejeitada das novelas da Globo causou muita repercussão negativa entre os conservadores por exibir, em seu primeiro capítulo, uma vilã ninfomaníaca e assassina contumaz, um beijo lésbico entre duas idosas e uma filha dando uma bofetada na própria mãe.

A psicopata viciada em sexo Beatriz (Glória Pires) se apaixonou pelo garotão Diogo (Thiago Martins), a prostituta ambiciosa Alice (Sophie Charlotte) se tornou uma mocinha romântica e ingênua, os beijos gays entre Nathalia Timberg e Fernanda Montenegro foram suprimidos e o galã homossexual Carlos (Marcos Pasquim) se tornou, subitamente, hétero e par romântico da heroína Regina (Camila Pitanga).

Também foi adiantado o motivo pelo qual as vilãs Beatriz e Inês (Adriana Esteves) se odiavam tanto, mas mesmo assim, de nada adiantou. A novela foi considerada um Freinkstein que não vingou.

Tempos Modernos

Deodora seria uma robô na ideia original de ‘Tempos Modernos’. Foto: Divulgação.

A bizarra novela de Bosco Brasil era um dramalhão com doses de realismo fantástico e ficção científica que substituía a comédia romântica convencional “Caras & Bocas”. Não agradou. A vilã Deodora (Grazi Massafera), segundo a sinopse, seria uma robô. A interpretação da atriz estava, de fato, robótica. Deodora se humanizou e até mesmo se apaixonou por Portinho (Felipe Camargo).

O robô inteligente Frank, que era amigo e conselheiro do protagonista Leal (Antônio Fagundes), e vigiava todos os moradores do edifício Titã, sumiu da história, que passou a investir em dramas e romances. O vilão Albano (Guilherme Weber) morreu logo no começo, abrindo espaço para os conflitos familiares de Leal com suas filhas e com a ex-namorada Hélia (Eliane Giardini). De nada adiantou.

Amor à Vida

Félix se redimiu e se tornou o mocinho de ‘Amor à Vida’. Foto: Divulgação.

O folhetim de Walcyr Carrasco foi marcado pelo sucesso do vilão gay Félix (Mateus Solano), que fazia de tudo para infernizar a vida da irmã, a mocinha insossa Paloma (Paolla Oliveira). A ideia original era que o malvado descobrisse uma séria doença autoimune.

O patriarca César (Antônio Fagundes) morreria de infarto, na cama com a amante Aline (Vanessa Giácomo), tão logo descobrisse que os crimes do herdeiro. A vigarista disputaria o comando do hospital com a viúva Pilar (Susana Vieira). Já a periguete cômica Valdirene (Tatá Werneck) se tornaria uma cantora evangélica.

Félix se redimiu de suas maldades e se tornou o grande herói da novela: teve direito a romance e final feliz com Niko (Thiago Fragoso). César continuou vivo e destilando sau homofobia contra o filho, até ter um final redentor ao lado de Félix. Aline se tornou a grande vilã e enganou César até o fim. Já Valdirene continuou no núcleo cômico e em busca de um golpe do baú, enquanto a convertida evangélica da vez foi Gina (Carolina Kasting).

Pátria Minha

A protagonista de Vera Fischer morreu queimada em ‘Pátria Minha’. Foto: Divulgação.

Essa malsucedida novela de Gilberto Braga não só foi rejeitada pelo público, como atravessou problemas nos bastidores. Vera Fischer era a protagonista Lídia. Na vida real, ela era casada com Felipe Camargo, que também participava do folhetim. Os dois chegavam atrasados, brigavam muito nos bastidores e eram grosseiros com outros profissionais.

A saída encontrada pelo autor foi matar os personagens dos dois em um incêndio. Vera Fischer saiu da Globo, na época, cuspindo marimbondos e sobraram ofensas até para Tarcísio Meira, seu par romântico na novela, a quem chamou de “velho caquético”.

Império

Drica Moraes precisou se afastar de ‘Império’. Foto: Divulgação.

Outra novela marcada por imprevistos nos bastidores foi essa de Aguinaldo Silva. Cabia à atriz Drica Moraes a missão de encarnar Cora, a grande vilã da trama. Com problemas de saúde que a impediam de gravar cenas mais complexas, a artista acabou sendo afastada na metade e Silva recorreu a Marjorie Estiano, que havia feito Cora na primeira fase, para ressurgir como a megera “rejuvenescida”.

A saída só serviu para que Cora tivesse um final, já que a trama central já havia sido comprometida. O autor teve que inserir um novo vilão misterioso, Fabrício Melgaço, um inimigo do Comendador (Alexandre Nero) que queria destruí-lo. Já o triângulo amoroso formado por Cristina (Leandra Leal), Vicente (Rafael Cardoso) e Clara (Andreia Horta) foi incrementado com doses de vilania na terceira: como o público torcia mais para ela do que para a mocinha de Leandra, o autor precisou transformar a designer numa megerinha.

Por Amor

Eduarda morreria na sinopse de ‘Por Amor’. Foto: Divulgação.

A sinopse original de Manoel Carlos previa a morte da mocinha Eduarda (Gabriela Duarte). Frágil e com a saúde bem debilitada, ela se afastaria de Helena (Regina Duarte) para tentar um tratamento com Marcelo (Fábio Assunção) nos EUA. Antes de morrer e com medo de que Marcelinho fosse criado por Laura (Vivianne Pasmanter), a moça se reaproximaria da mãe.

Em seus últimos dias de vida, Eduarda pediria que Marcelo deixasse Helena criar Marcelinho. O rapaz passaria por uma grave depressão, não só pela viuvez, como pelos problemas da empresa da família, que passaria a ser tocada por Léo (Murilo Benício). Helena terminaria a história sem contar a ninguém sobre a troca de bebês que fizera na maternidade para evitar o sofrimento de Eduarda.

“Houve coerência do destino. Se Helena sofreu e perdeu um filho para fazer sua filha feliz, Maria Eduarda morreu para devolver à mãe a criança que de fato lhe pertencia. De uma maneira ou de outra, fez-se Justiça”, frisava Maneco ao fim da sinopse da trama.

Últimas Notícias

Globoplay anuncia novelas que entram no catálogo em 2021

O projeto de relançamento de novelas a cada duas semanas no Globoplay continuará em 2021. Na noite desta sexta (4), durante a...

Resumo da semana de ‘Laços de Família’: 7 a 11 de dezembro

Edu e Camila se amam. Camila se irrita ao perceber que está sendo observada por Íris. Ela provoca e fala de Helena,...

‘Malhação: Sonhos’ será a substituta de ‘Viva a Diferença’; saiba quando

Como já era previsto, "Malhação" seguirá em regime de reprises em 2021. Assim que "Viva a Diferença" chegar ao fim, a Globo...

Resumo desta sexta-feira (4) de ‘Laços de Família’

Ao saber que Camila vai para Angra, Íris decide aceitar o convite de Cíntia. Capitu recebe flores de Orlando e joga-as na...

Veja Também

‘Haja Coração’: Tancinha passa a noite com Beto enquanto Apolo procura por ela

Beto (João Baldasserini) e Tancinha (Mariana Ximenes) foram sequestrados e abandonados em um lugar deserto. Com dificuldade, eles conseguem se soltar. Mas...

Resumo de ‘Malhação’: Capítulos de 30 de novembro a 04 de dezembro

Segunda, 30/11 Ellen conta para Anderson que não conseguiu entregar seu jogo para a competição e afirma que não...

‘Laços de Família’: Alma finge tentar suicídio para comover Edu e Estela

Desmascarada, a esposa de Danilo é encontrada dormindo ao lado de frasco de remédio. Nos próximos capítulos, Alma (Marieta...

‘Laços de Família’: Helena volta com tudo e deixa Camila com ciúmes

Os dias de folga que Helena (Vera Fischer) tirará para viajar lhe farão muito bem. Ela voltará para casa radiante e sem...

‘Laços de Família’: Fred pede para Camila pegar leve no relacionamento com Edu

Fred (Luigi Baricelli) pede que Camila (Carolina Dieckmann) seja discreta no relacionamento com Edu. Cena vai rolar no próximo capítulo de Laços...